Achado lingüístico

 

Estava eu, no meu eterno, quase interminavel, deleite a ler “Os Maias”, de Eça de Queiroz, quando de repente… encontrei uma pérola, daquelas negras e valiosíssimas, das profundezas do oceano. Foram duas vezes, duas vezes que a vi. Isso é mais do que comprovar que um dia, um dia… os portugueses também andaram de Ô-NI-BUSSSSSSSSSS (esse pobre veículo de pobre, como eu, em Portugal, chama-se AUTOCARRO). Ou seja, nem sempre o que os brasileiros falam é invenção, anglicanismo e o diabo a quatro, como se costuma dizer. Vejam só (Capítulo VIII):

 “Ora ele, bons ares só compreendia os de Sintra; porque ali não eram só os pulmões que lhe respiravam bem, mas também o coração, rapazes!… De sorte que viera na véspera, no ónibus.”

“_Que bom que fizeste em arrastar cá o maestro, filho… Quantas vezes eu tenho dito àquele diabo que se metesse no ónibus, viesse passar dois dias a Sintra.”

Não faço idéia de como era esse veículo, pois nesse tempo ainda se usavam coches, carruagens. Talvez fosse um veículo que servisse como transporte público. O interessante disso tudo é a existência da palavra e o uso a que o objeto se destinava: transporte de pessoas.

 

5 pensamentos sobre “Achado lingüístico

  1. Ah, que legal!! É tão bom descobrir coisitas interessantes, não é? Acho a literatura portuguesa muito legal mesmo.

    Boa leitura, amiga!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s