Frozen para Meninos

Frozen Ana ElsaO mundo gira, gira, gira e vai mexendo, mudando e transformando as coisas e as nossas vidas. Eis que agora tenho uma loja de artigos infantis. De produtos licenciados da Disney e Marvel. Apaixonei-me por este universo e abracei a ideia de viver entre estes personagens diariamente. Sinto uma enorme alegria de ver entrar e sair gente de minha loja, compradores ou não, a admirar os produtos, principalmente quando são crianças. Esse momento também é mesclado com alguma tristeza, quando vejo um menino apaixonado por uma mochila cor-de-rosa da boneca Elsa do Frozen e… a mãe não o deixar levar porque irão gozar com ele na escola. A coitada da criança não via mais nada além das coisinhas do Frozen… Tive muita pena dele, sinceramente. Uma infância frustrada por uma sociedade ridícula. A mãe estava muito sentida também, porque sabe que tais personagens trazem-lhe sorriso, alegria, mas… não os poderá demonstrar além das quatro paredes de sua casa sob pena de poder sofrer bulling. Muitos fornecedores de tais produtos têm como uma das opções para os meninos, os artigos com o personagem Olaf, que é o boneco de neve do desenho. Um certo disfarce para ocultar o gosto dos meninos pela irmãs Ana e Elsa. Um gosto que possivelmente possa ser uma tendência homossexual, na ideia de muitos adultos e de crianças filhas desses adultos que, em se tratando do século XXI, são completamente idiotas. Tenho uma filha de 4 anos e ela gosta muito da Elsa também. Eu até cheguei a pensar que não havia mais ninguém que gostasse tanto da tal boneca quanto ela até me ser apresentado esse menino. Ela também gosta do Homem Aranha. Ama de paixão o gajo aracnídeo e, se querem saber, acho piada em tudo isto. Não estou minimamente preocupada com as tendências dela. Quero que ela se divirta, que seja feliz, que curta a sua infância com todo o seu potencial. Que possa escolher os desenhos, as personagens que quiser. Se ela for gay, ou deixar de ser, certamente não vai ser culpa do coitado Homem Aranha. É chegado o momento de repensarmos os azuis e cor-de-rosa bebé de nossa sociedade. É chegado o momento de deixarmos nossas crianças serem livres. Usufruírem da liberdade de não terem tabus. Deixarem-nas crescer como pássaros e viver em um mundo, um futuro, construído por elas, com muito menos preconceito e mais compreensão. E… Façamos o favor de sermos todos felizes/livres.

Planos para uma vida melhor

Plantar uma árvore. Escrever um livro. Ter um filho. Esses são os três preceitos básicos para o sucesso da humanidade. Significa que devemos preservar a natureza, de onde sai a nossa sobrevivência, deixarmos legados para as futuras gerações e perpetuamos a espécie humana. Plantar uma árvore é realmente muito importante, mas agir conscientemente em nome de um meio ambiente sadio e sem catástrofes, por exemplo, reciclando o nosso lixo, economizando água, energia e tendo comportamentos mais sustentáveis são formas de concretizar com eficiência o primeiro preceito. Um livro armazena palavras e conhecimentos durante anos para muitas pessoas que sabem decodificar as suas linhas, mas é apenas uma das formas de passar/adquirir informação. Ouvir com paciência, dialogar, estudar, conhecer mais a respeito da vida, das diferenças entre raças e crenças, dos diferentes povos e culturas, de nossa cultura, procurar ser uma pessoa melhor, respeitar os mais velhos, ler mais, viajar, escrever mais, ser melhores pais e professores e não deixar ver partidas as ligações que nos fazem racionais e pensadores são ações que podem corresponder à segunda tarefa. Um filho não precisa ter saído de nós, pois somos pais e mães de todos aqueles que nos rodeiam. Temos obrigação de tratarmos bem da integridade física e mental das pessoas, independente de sua idade, sexo, nacionalidade, raça, religião e status social. Devemos desenvolver cada dia mais o conceito de cidadania em nossos corações, transmitirmos conhecimento, noção de caridade e solidariedade, do certo e do errado, sermos honestos, envolvermo-nos em causas que visem o bem-estar de todos e não desejarmos ao próximo o que não queremos para nós.  Hoje começa um novo ano e é sempre comum almejarmos tudo de bom para nós e para todos os nossos amigos e familiares. Que tal incluírmos em nossos planos para uma vida melhor a realização desses preceitos e tentarmos sermos menos falhados na nossa função de humanos? Há muito trabalho por fazer e… um mais um é sempre mais que dois… Mãos à obra e feliz 2011!!

Alma cataclísmica

Ultimamente, a única coisa que me surpreende são os cataclísmos, as revoltas da natureza, porque as do homem… essas já são folhetim barato. Essa semana fui violentamente descrita como “a pessoa mais negativa que conheço” (disse-me alguém conhecido meu), porque, simplesmente, não acho natural o que se passa na Terra atualmente e tenho medo, embora goste de brincar também com a situação que ora se instalou em nosso planeta. Como não quero causar mal-estar nas pessoas que me rodeiam, por falar nesses terríveis assuntos, vou mudar esse meu jeito de ser. Estou decidida. “Dourarei a pílula” e, agora, descreverei um terremoto como um movimento de pura expressão artística proveniente do núcleo terrestre com o objectivo de fazer mover os esqueletos humanos e mudar a arquitectura das cidades em prol de uma nova urbanização. A chuva de meteoritos, que ocorreu nos EUA esta semana, e acordou pessoas com os fachos de luzes que brilhavam no céu é, nada mais, nada menos, que uma festa de arromba na boate divina. O desgelo das camadas polares é uma luta de gerações para ver nascer margaridas e magnólias naquelas terras. Um latifúndio para plantarmos algodão e cana de açúcar aos montes. A erupção do vulcão na Islândia foi um acordo que Cavaco Silva, presidente de Portugal, fez com os deuses, com o poder de administrador católico e ilibado que tem, para ficar um bocadinho mais a desfrutar da bela cidade de Praga (muitos aeroportos europeus foram fechados) e para a mulher dele ter a oportunidade de dizer na televisão que já conheceu um islandês (um ser extraterreno) casado com um portuguesa. Bem, depois de estar tudo muito colorido e dourado, a soar felicidade, deixa o sol brilhar! Afinal, viver é lindo, a natureza é linda! Medo! Para quê!? Se cair, do chão não passa mesmo…